sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Um índio cheirador em apuros

Na Folha:

Protestos na Bolívia queimam bandeira da Venezuela e estátua de Che Guevara

Manifestantes bolivianos queimaram nesta quinta-feira (30) uma bandeira da Venezuela e uma estátua do guerrilheiro Ernesto Che Guevara, durante a jornada de protestos contra a alta do preço dos combustíveis.

A imprensa local mostrou a bandeira venezuelana queimada no centro de La Paz em meio a gritos de protestos contra o presidente venezuelano, Hugo Chávez, aliado do líder boliviano, Evo Morales.

Já em El Alto, outro grupo de manifestantes fez uma fogueira aos pés de uma estátua de Che Guevara, guerrilheiro admirado pelo presidente boliviano.

Além disso, manifestantes também atacaram na cidade de Cochabamba as sedes dos cocaleiros e do partido de Morales, o Movimento ao Socialismo (MAS).

Nesta quinta, comerciantes, motoristas e professores participaram de passeatas, bloqueios e mobilizações nessas cidades, além de Oruro, Tarija e Santa Cruz.

Tais grupos costumavam apoiar Morales, mas recriminaram a decisão de subir o preço da gasolina e do diesel entre 57% e 82%.

Em El Alto, os manifestantes incendiaram e saquearam os escritórios estatais de cobrança de pedágio na estrada para La Paz e apedrejaram prédios municipais e sindicais governistas.

O Ministério de Governo (Interior) informou que os protestos deixaram 15 policiais feridos, dois deles com gravidade, dez em Cochabamba, quatro em El Alto e um em La Paz.

A Polícia deteve 16 pessoas em Cochabamba e cinco em El Alto.

Em entrevista coletiva, o ministro do Interior, Sacha Llorenti, pediu calma à população e assegurou que a Polícia está mobilizada para garantir a segurança.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Reinaldo Azevedo no Entre Aspas comentando o ministério da Dilma

Só falta um dia!!!

Campo Lula: Como nas mais indecentes ditaduras

E ainda tiveram coragem de dizer que os tucanos é que privatizariam a Petrobrás...

É incrível, mas não fico mais chocado quando leio uma notícia dessas. Após 8 anos de desrespeito às instituições e ao povo brasileiro, soa completamente normal o fato da Petrobrás, num ato de vergonhoso puxa-saquismo, querer rebatizar com o nome de Lula o campo petrolífero Tupi. Pronto! Já estamos no mesmo patamar da União Soviética de Stalin, do Iraque de Saddan Hussein e da Coréia do Norte de Kim Jong-Il. A única diferença é que nessas ditaduras, a veneração aos ditadores sempre foi obrigatória, e qualquer manifestação de contrariedade punida com a pena de morte. Nosso caso é mais vergonhoso ainda, pois tudo é feito sob as graças de um povinho banana, que venera gratuitamente aqueles que cospem em sua cara dia após dia.
VENERAÇÃO GOELA ABAIXO: Acima, da esquerda para a direita, estátuas de Stalin, na antiga URSS; Saddan Hussein, no Iraque; e Kim Jong-Il, na Coréia do Norte. Abaixo, o Campo Petrolífero Lula, no Brasil

 Na Exame:


Petrobras batiza antigo campo de Tupi de "Lula"
Mudança de nome do campo de Tupi foi uma homenagem da estatal ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva


Rio de Janeiro - A Petrobras formalizou nesta quarta-feira a comercialidade de dois grandes campos de petróleo e gás situados no fundo do oceano Atlântico e batizou um deles, o antigo campo de Tupi, com ao menos 5 bilhões de barris de petróleo recuperáveis, de "Lula".

Em uma carta, a empresa comunicou à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) declarou a comercialidade dos campos "Lula" e "Cernambi", antes conhecido como Iracema.

A declaração de comercialidade é o ponto culminante do processo de prospecção realizado pela estatal nos dois campos e representa a confirmação oficial da capacidade da Petrobras para explorar suas riquezas.

A mudança de nome do campo de Tupi foi uma homenagem da estatal ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

As duas jazidas se encontram na área do pré-sal.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Imperador


No Ex-Blog do Cesar Maia:

LULA FALA EM NOME DO FUTURO CONGRESSO BRASILEIRO?

1. Lula deu a Fernando Lugo, presidente do Paraguai, na reunião de Foz do Iguaçu, a garantia de que o Congresso brasileiro, que toma posse em 1º de fevereiro, aprovará o acordo que triplica o valor pago pelo Brasil ao país vizinho pela energia não-utilizada produzida na usina de Itaipu. É uma promessa que ele não poderia fazer. Atualmente, o Brasil paga cerca de US$ 120 milhões ao Paraguai para consumir uma parcela da eletricidade a que o país vizinho tem direito, mas não utiliza. Segundo "acordo" entre os dois países em 25 de julho de 2009, o Brasil passará a pagar cerca de US$ 360 milhões por essa energia. Esse entendimento foi assinado em setembro do ano passado.

2. A matéria está parada no Congresso brasileiro desde então, pois vários senadores questionam o acordo. O vice-chanceler paraguaio, Jorge Lara Castro, indelicado e inábil, afirmou que o Paraguai vê com "perplexidade" a demora na aprovação do tema pelo Congresso brasileiro. Marco Aurélio Garcia falou da construção da nova linha de transmissão de energia entre Itaipu e Assunção. Segundo ele, as obras estão "avançando rapidamente", quando, elas sequer foram começadas no território paraguaio. A linha, anunciada em maio deste ano, será arcada pelo governo brasileiro, com um custo previsto de US$ 400 milhões a fundo perdido e..., sem audiência ao Congresso brasileiro.

Asqueroso até o último instante

Após oito anos envergonhando os brasileiros e emporcalhando a imagem do país, Lula ainda não se cansou. Depois de aliar-se a tudo o que há de mais nojento no planeta, como FARC, Hugo Chávez, Ahmadinejad e irmãos Castro, o demente aproveitará seus últimos dias para instalar definitivamente no Brasil o terrorista italiano Cesare Battisti. É um imenso desrespeito a todos italianos: os que morreram nas mãos desse covarde, e os vivos, que perderam entes queridos.

Na Folha:

Lula anuncia hoje concessão de refúgio a Battisti

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anuncia hoje a concessão de refúgio ao terrorista italiano Cesare Battisti.

Lula recebeu ontem pela manhã parecer da AGU (Advocacia-Geral da União) recomendando a permanência no Brasil de Battisti, acusado na Itália de quatro assassinatos na década de 1970, quando era militante de um grupo extremista de esquerda.

Anteontem, o presidente havia afirmado que acataria "prontamente" a decisão do advogado-geral, Luís Inácio Adams. A AGU já havia apresentado parecer favorável à permanência de Battisti.

Ao decidir pela concessão, Lula arrisca ferir o tratado de extradição do Brasil com a Itália, o que poderia levar até a pedido de impeachment.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O Brasil e os brasileiros, visto por eles mesmos

Os números abaixo são muito interessantes e deveriam ser lidos com muita atenção pela oposição por dois motivos. Primeiro, porque aponta as brechas por onde é possível crescer politicamente. Segundo, porque demonstra a necessidade de fortalecer a imagem e ressaltar a importância das instituições junto à população, principalmente quando somos governados por um partido com forte viés autoritário.

No Ex-Blog do Cesar Maia (os destaques são meus):

O BRASIL QUE LULA DEIXOU, NA PERCEPÇÃO DOS BRASILEIROS: GOVERNO, POLÍTICA, INSTITUIÇÕES E ECONOMIA!

Pesquisa Latinabarometro realizada em 18 países latino-americanos, 20.204 entrevistas entre 4 de setembro e 6 de outubro de 2010. Recorte para a pesquisa realizada no Brasil.

1. O resultado da pesquisa do Latinobarometro de 2010 mostra que Lula vai bem na percepção dos brasileiros, mas o Brasil vai muito diferente. 86% aprovam o governo\ 67% são favoráveis a Lula. Mas..., siga os resultados da pesquisa, em plena campanha eleitoral, com o eleitor com todas as informações disponíveis pelas próprias campanhas e diariamente na TV, rádios e jornais.

2. Governo. Apenas para 36% a situação econômica é boa ou muito boa \ 47% estão satisfeitos com a economia / 39% tem preocupação em ficar desempregados \ Para 66% as decisões do governo privilegiam uns poucos \ Para 70% algumas pessoas e grupos têm tanta influência que os interesses da maioria são ignorados \ Só para 45% se governa para o bem de todo o Povo \

3. Política e Instituições (01). Só para 43% sem Congresso Nacional não pode haver democracia (59% acham assim em toda a América Latina). Brasil ficou em último lugar \ Só para 44% sem partidos políticos não pode haver democracia (58% para toda América Latina) \ 49% estão satisfeitos com a democracia \ 54% apoiam a democracia \ 44% tem confiança no Congresso \ 24% tem confiança nos Partidos \ 66% não querem governo militar

4. Política e Instituições (02). 44% querem que o Presidente controle os meios de comunicação \ 55% acham que quando a situação está difícil se deve passar por cima das leis \ Só 34% tem interesse pela política \ Só 33% acham que governo deve financiar os Partidos \ Quem tem mais poder é o governo para 52% \

5. Ideologia. 14% não tem ideologia 21% não sabem responder. 11% se dizem de Esquerda. 20% se dizem de direita. 35% se dizem de centro.

6. Segurança. 25% dizem que eles ou um parente próximo, foram agredidos ou assaltados nos últimos 12 meses \ Só para 21% a segurança no Brasil é muito boa ou boa.

7. Economia. Para 63% Economia de Mercado é o único sistema para o país ser desenvolvido \ Para 75% Empresa privada é indispensável para desenvolvimento \ Para 51% as privatizações foram benéficas para o Brasil.\ 52% dizem que estão satisfeitos com os serviços públicos privatizados 52% (maior índice da América Latina).

8. Para conhecer a pesquisa completa cada um dos 18 países e para o total da América Latina, clique www.latinobarometro.org 127 páginas. Veja à direita do portal.

Brasil na rabeira da América Latina

No Ex-Blog do Cesar Maia:

CRESCIMENTO MEDÍOCRE DO BRASIL NOS OITO ANOS DE LULA E DE BOOM MUNDIAL!

(Globo, 10) O Brasil cresceu em média 4% nos oito anos de governo do presidente Lula. O Brasil ficou abaixo da média da América Latina no período: 4,64%, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), que já tem projeções para 2010. Considerando as estimativas do FMI, entre 2003 e 2010, o Brasil fica à frente apenas do México, que cresceu 2,1% nesse período, se consideradas as economias da América Latina. O país empata com Chile e Paraguai, que também fecharão o período 2003-2010 com crescimento médio de 4%. A Argentina, por exemplo, registrará taxa de 7,4%; o Peru, de 6,4%; e a Venezuela, de 4,6%.

Totalitarismo em marcha na Venezuela

Na Folha:

Parlamento aprova projeto que dá um ano de plenos poderes a Chávez

O Parlamento da Venezuela aprovou nesta terça-feira um projeto de lei que concede ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, plenos poderes para governar por decreto durante um ano.

A lei habilitante foi aprovada por 157 votos a favor e 5 votos contra na primeira discussão na Assembléia Nacional. Agora o projeto segue para uma consulta pública e deve ser sancionada, sem dificuldades, na próxima quinta-feira.

A medida permitirá a Chávez legislar nas áreas de moradia, infra-estrutura, terras urbanas e rurais, economia, defesa e cooperação internacional.

O Executivo argumenta que a medida busca acelerar decisões para enfrentar a crise ocasionada pelas fortes chuvas que assolam o país e que já deixaram um saldo de mais de 30 mortos e pelo menos 130 mil desabrigados.

"A situação continua sendo crítica e necessitamos atendê-la com um conjunto de leis", afirmou Chávez, nesta terça-feira, enquanto visitava um refúgio de desabrigados, acompanhado do presidente do Equador, Rafael Correa.

De acordo com o vice-presidente, Elias Jaua, "quase 40% do país foi afetado" pelas chuvas.

"É muito grave o que aconteceu e a oposição tenta minimizar isso", acrescentou Jaua, logo depois de entregar o projeto de lei ao Parlamento, em Caracas.

Para a oposição, Chávez não precisaria de poderes especiais para atender a emergência e estaria utilizando esse argumento para incrementar o peso do Estado em outras áreas.

"Isso é um engano para todo nosso povo", afirmou o governador opositor Capriles Radonski.

Para o deputado eleito Alfonso Marquina, a lei habilitante "é um ato ilegítimo que pretende continuar concentrando o poder na figura do presidente", afirmou Marquina à BBC

Novo parlamento

Chávez ganha plenos poderes para governar a menos de um mês para a renovação do Parlamento. A partir de 5 de janeiro, a bancada chavista não contará mais com a maioria absoluta que lhe permitiu, durante cinco anos, aprovar com facilidade todas as reformas aplicadas neste período.

No ano que vem, o governo continuará contando com a maioria das 165 cadeiras no Congresso, porém, não poderá aprovar leis orgânicas sem o aval de parte dos 65 deputados opositores, eleitos em setembro.

Por essa razão o Parlamento passou a correr nesta semana para aprovar um pacote de leis orgânicas consideradas essenciais para o projeto da revolução bolivariana.

Se o projeto de lei habilitante apresentado não sofrer alterações até sua sanção, o presidente venezuelano poderá medidas no âmbito socioconômico "para erradicar as desigualdades".

Na prática, a lei abre caminho para a eliminação dos monopólios no âmbito industrial e à erradicação de latifúndios no país.

Chávez também ganha poderes para legislar no polêmico setor das telecomunicações e informática.

No âmbito internacional, caberá diretamente ao presidente assinar decretos-lei que formalizem acordos de cooperação internacional. Ainda nesta área, o executivo poderá aprovar uma lei que já está em debate que regula o financiamento estrangeiro à organizações não-governamentais.

Grande parte das ONGs opositoras na Venezuela recebem financiamento dos Estados Unidos.

Polêmica

Opositores questionam também a legalidade da medida, ao argumentar que a lei habilitante só poderia ser válida para o atual período legislativo e não para o seguinte, quando o novo Parlamento assumirá.

Essa posição foi refutada pela presidente do Congresso Cília Flores, ao afirmar que sob esta lógica, todas as leis aprovadas perderiam efeito. "Essas são posições absurdas e incoerentes. Se isso fosse certo, nenhuma das leis aprovadas neste tempo teriam vigência depois de 5 de janeiro", argumentou.

De acordo com o deputado governista Túlio Jimenez, presidente da Comissão de Política Interior no Parlamento, lei habilitante não deve alterar o funcionamento da Assembléia. Jimenez afirma que os deputados continuarão legislando "paralelamente" em assuntos diferentes aos que foram delegados ao presidente da República.

"A lei habilitante se limita aos assuntos solicitados pelo presidente e o restante dos temas continuarão sendo legislados pelo Parlamento", afirmou Jimenez à BBC Brasil.

O bloco de deputados opositores apresentará uma denúncia à Organização de Estados Americanos (OEA), na quarta-feira, contra a lei habilitante e outras duas leis que endurecem as regras para as concessões públicas de rádio e TV e à difusão de mensagens pela internet.

"Vamos à OEA denunciar essa usurpação e essa intenção de desconhecer a vontade popular através da desculpa da lei habilitante e em defesa da liberdade de expressão", afirmou Alfonso Marquina.

Essa é a quarta vez que Chávez pede poderes especiais para legislar, sem ter que passar pelo crivo da Assembléia Nacional.

Em 1999, ele pode governar por decreto durante seis meses. Em 2000 o prazo dado pelos Parlamentares foi de um ano. Em 2007, teve o aval para firmar decretos-lei durante 18 meses. Neste período foram lançadas as principais leis de nacionalização dos setores considerados estratégicos como petróleo, telecomunicações, eletricidade, entre outras.

Além da lei habilitante, o Parlamento deve aprovar ainda nesta semana, em sessões extraordinárias, outras duas controvertidas reformas nas leis de telecomunicações e de responsabilidade social em rádio, tv e internet.

Carro da Red Bull radicaliza na Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina!

Irã prestes a conseguir a bomba... na própria cabeça!

Os judeus certamente não aguardarão sentados um novo Holocausto. Quanto antes agirem, mais bem sucedidos serão, e contarão com o apoio da maioria dos países árabes. É pra já!

Caio Blinder, na Veja:

Ataque Preventivo de Israel contra Irã Está no Horizonte

O tempo regulamentar se esgota para Israel. O governo Netanyahu está mais pessimista sobre o impacto de sanções internacionais e das negociações diplomáticas, sobre as quais nunca depositou muita fé. Com o desfecho frustrante e na ausência de uma ação militar americana contra as instalações nucleares iranianas, Israel poderá lançar seu ataque unilateral já no primeiro semestre de 2011. Existem advertências, como a do secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, de que tal ataque não funciona. Apenas adiaria o programa nuclear iraniano, que, na avaliação de boa parte da comunidade internacional, tem a bomba como objetivo final.

Há também as advertências de que as consequências militares, geopolíticas e econômicas de tal ataque preventivo serão intoleráveis. O raciocínio de Israel é inverso. É a bomba iraniana que terá consequências intoleráveis, inclusive existenciais, para o país. Você pode tomar o caminho que considera correto neste debate, mas fique seguro (ou inseguro) que, para qualquer lado, o terreno estará minado.

Um jornalista muito mais bem informado do que eu, Jeffrey Goldberg, entrevistou 40 figuras influentes do complexo militar-político-acadêmico de Israel, para uma reportagem na revista The Atlantic. Goldberg se convenceu que é provável que um ataque israelense de fato venha aí nos próximos meses se os americanos não tomarem providências antes. Aliás, este foi o apelo a Washington de vários dirigentes do mundo árabe, de acordo com os documentos secretos divulgados pelo site WikiLeaks.

Outro insider, Martin Indyk, ex-embaixador dos EUA em Israel, acredita ser mais provável que os EUA bombardeiem o Irã e não Israel, Como se vê, existe uma guerra de informações entre os bem informados. Um dia, serão revelados documentos realmente esclarecedores sobre os bastidores do processo decisório na crise nuclear iraniana.

Fixar datas para um ataque é altamente arriscado. E o mero aceno faz parte da guerra psicológica. De qualquer forma, no caso de Israel, existe uma lista de condições para uma ação militar: contínuas exortações por Mahmoud Ahmadinejad e companhia pela destruição do estado judeu, fracasso completo das pressões diplomáticas e sanções, assim como dos esforços clandestinos (sabotagem, guerrilha cibernética e assassinato de cientistas) para sustar os avanços nucleares e, obviamente, a viabilidade técnica de uma operação. Outras condições estão se amadurecendo para um ataque: existe crescente preocupação em Israel com a sofisticação do programa de mísseis iranianos e os triunfos republicanos no Congresso em Washington encorajam os pendores israelenses para uma ação preventiva.

Nos cenários especulativos, é fundamental tomar nota do que está falando o guru estratégico israelense Efraim Inbar, diretor do Centro de Estudos Estratégicos Begin-Sadat, da Universidade Bar-Ilan. É sintomático que seu mais recente ensaio tenha saído na publicação do establishment militar americano, Defense News. O julgamento de Inbar é fulminante: “Infelizmente, a diplomacia esgotou seu curso, enquanto sanções econômicas geralmente são fúteis. Somente a ação militar pode deter a corrida iraniana por armas nucleares”.

Este senso de inevitabilidade nas recomendações de alguém do calibre de Inbar nos remete à frase de efeito do senador John McCain, aquele derrotado por Barack Obama nas eleições presidenciais americanas de 2008. McCain disse que só existe uma coisa mais grave do que um ataque contra as instalações nucleares iranianas: é o Irã com a bomba nuclear.

Talvez um bombardeio contra o Irã não resolva as coisas. Quem sabe, até piore. Mas se o Irã tiver a bomba, o Oriente Médio e o mundo ficarão ainda mais perigosos.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

30 anos sem John Lennon

Há exatamente 30 anos atrás, perdíamos um dos maiores músicos já nascidos. Uma data triste, principalmente numa época em que se escuta Lady Gaga e afins...

sábado, 4 de dezembro de 2010

Em Floripa, só a bandeira do Avaí tremula. Capacho é pra ficar no chão!

Bandeiras na entrada da cidade: símbolos de orgulho e respeito

Cada coisa no seu devido lugar: no alto, tremulando, a imponente bandeira do Avaí. No chão, toda emporcalhada, a bandeira do Figueirense.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Cine Barricada atualizado

Olavo de Carvalho, ali no cantinho direito superior.

WikiLeaks: Terrorista protege terrorista

No Ex-Blog do Cesar Maia:

POLÍCIA FEDERAL PRENDE TERRORISTAS, MAS NÃO DIVULGA! GOVERNO NÃO QUER LEI ANTITERROR!


(Folha SP, 29) 1. WikiLeaks começa a vazar telegramas secretos, e Folha obtém primeiro lote. A Polícia Federal do Brasil "frequentemente prende pessoas ligadas ao terrorismo, mas os acusa de uma variedade de crimes não relacionados a terrorismo para evitar chamar a atenção da imprensa e dos altos escalões do governo", relatou de maneira secreta em 8 de janeiro de 2008 o então embaixador dos Estados Unidos em Brasília, Clifford Sobel.

2. Dilma é apresentada como a responsável por ter impedido o envio de uma proposta de lei antiterror ao Congresso. Num telegrama classificado como confidencial, de 4 de novembro de 2008, Clifford Sobel cita um especialista e diz que seriam mínimas as chances de ter essa legislação porque o governo Lula estava "amontoado de militantes esquerdistas".

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Mapa dinâmico das votações dos partidos nos EUA de 1920 até 2008

Muito interessante. Recebi por email do Ex-Blog do Cesar Maia (ver texto abaixo):



EVOLUÇÃO DOS VOTOS NAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS NOS EUA, 1920-2008!

Trabalho do politólogo David Sparks. Em vídeo (01) mostra a evolução no tempo: Democratas em Azul, e Republicanos em Vermelho. Mostra mudanças às vezes rápidas, às vezes graduais na votação. A interpretação animada acentua certos fenômenos como o tamanho e a duração do apoio a Roosevelt, a mudança de um Sul Democrata para Republicano, a mudança de uma divisão Oeste-Leste para a atual divisão Litoral x Interior, e depois a estabilidade. Mais amplamente, este vídeo é um lembrete de que o que constitui "política de sempre" está sempre em fluxo, mudando às vezes de forma abrupta. A paisagem da política americana está em constante evolução, como membros da batalha de dois grandes partidos para a supremacia eleitoral.

Cristianismo ou barbárie

Por conta dos recentes debates sobre o tema do aborto e da PEC 122 (que pretende transformar em criminosos aqueles que não louvarem o homossexualismo), temos visto muita gente mal informada se colocar contra os cristãos. Estes seriam intolerantes com as diferenças, medievais, fascistas e outras coisas do gênero. Os que criticam deveriam levar em conta que só o fazem porque por aqui é permitido. Essa tolerância que vigora na maior parte do Ocidente deve muito aos 2.000 anos em que o Cristianismo reina por aqui. Todos nós, incluindo os cínicos críticos da civilização judaico-cristã, desfrutamos de um grau de liberdade infinitamente maior que nossos irmãos que tiveram a infelicidade de nascer, por exemplo, sob as bençãos de Alá. Mas como nada nos vem de graça, junto com as benesses vem junto a obrigação de zelar pelas conquistas e afastar a possibilidade de um retrocesso que pode ser catastrófico. Países que se tornaram muçulmanos recentemente, como é o caso da Indonésia, já pagam o preço. Lá, se uma mulher conversar com um estranho corre o risco de ser apedrejada até a morte. Lá, cristãos são dizimados a golpes de facão. E isso não é exceção, é a regra. Basta olhar o que ocorre em países africanos e do Oriente Médio onde o Islã impera. Quem ainda não está convencido, veja o vídeo abaixo. Mostra separatistas chechenos muçulmanos executando jovens militares russos que foram feitos prisioneiros. Advirto que as imagens são extremamente horríveis.


Finalizo reiterando: aqueles que querem mais tolerância, honrem o legado da cruz.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Caldeirão!

PT atuou para Santa Catarina perder investimento de R$ 2,5 bilhões da EBX



Mais uma do PT contra os catarinenses. Não basta nos saquearem na devolução dos recursos arrecadados no estado. Não basta Lula nos desrespeitar vindo aqui se intrometer nas eleições com grosserias. Não basta nos deixar à míngua aguardando o dinheiro para prevenção de desastres. Não basta o número absurdo de mortes nas rodovias federais no estado. Agora atuam também para que não se realizem investimentos por aqui. Não deixemos que isso seja esquecido.

No site do Democratas:

Bornhausen denuncia que PT inviabilizou megainvestimento em SC


O líder do Democratas, Paulo Bornhausen (SC) disse nessa quarta-feira que “interesses políticos do Partido dos Trabalhadores” inviabilizaram a construção de um estaleiro em Santa Catarina. Segundo ele, foi o PT quem nomeou pessoas para o Instituto Chico Mendes de Preservação da Biodiversidade (ICMBio) que negaram licença ambiental e inviabilizaram o empreendimento. “Algumas pessoas ali dentro foram irredutíveis nas discussões com os empreendedores, não se preocupando em criar um espaço de diálogo e negociação”, reclamou o parlamentar catarinense.

O empreendimento de R$ 2,5 bilhões, que seria montado em Biguaçu, na grande Florianópolis, será transferido para o Rio de Janeiro, onde a EBX, empresa do investidor Eike Batista, escolheu para construir o estaleiro.

“Vamos ter que trabalhar muito duro para recuperar o prejuízo. Além dos 10 mil empregos diretos que Santa Catarina irá perder, há o investimento tecnológico e, em mão-de-obra especializada, que viriam junto com a obra”, diz.

A mudança de planos aconteceu por causa de entraves em licenças ambientais, que se arrastam por mais de um ano. Na tarde dessa terça-feira (16), o Instituto Chico Mendes anunciou que decidiu adiar para 15 de dezembro a divulgação do parecer do órgão sobre a implantação do projeto.

Apesar de Eike afirmar que foi transferido para o Rio apenas o projeto do estaleiro e não outras atividades do grupo, Bornhausen analisa que os investidores nacionais e internacionais podem ver essa transferência com desconfiança. “Santa Catarina vira um estado sob observação. É uma notícia triste, que não traz nada de bom”, avalia o líder. “Não só os empregos, nem o investimento: era o futuro de Santa Catarina, as chances reais de o estado crescer e prosperar. Um esforço conjunto e muito grande precisará ser feito para o estado superar esse baque”, finalizou o líder.

Sobre a provável saída de Meirelles do BC

No Ex-Blog do Cesar Maia:

RAZÕES ESPERTAS PARA SAÍDA DO MEIRELLES DO BANCO CENTRAL!

1. Com a experiência acumulada do Meirelles no setor privado, onde aprende disciplina, em sua candidatura vitoriosa a deputado federal pelo PSDB de Goiás em 2002 e nesses oito anos de governo Lula, onde adquiriu até status de ministro, não se concebe uma atitude juvenil como essa, criando constrangimento à presidente pelos jornais. "Só fico com autonomia", disse. Então por que vazou para a imprensa essa "exigência"?

2. Elementar a dedução. 2011 será um ano difícil. A inflação pelo IPCA aponta para 7% a 8%. Pelo IGP-FGV já passou disso, e com todo o câmbio valorizado, o que não é comum. A taxa de juros terá que subir. O crescimento do PIB vai cair para 3%, ou menos. Um juro maior atrai capital de curto prazo. O câmbio é pressionado para ficar como está. Mas a balança comercial -especialmente para o setor industrial- não resiste mais esse câmbio. O déficit em conta corrente vai para pelo menos 60 bilhões de dólares. Mas desvalorizar o real por intervenção empurra ainda mais a inflação para cima e afeta a expectativa do mercado no novo governo. Ou seja: se ficar o bicho pega; se correr o bicho come.

3. Meirelles quer continuar com sua imagem pessoal sem mácula e forçou sua saída para que não tenha que enfrentar 2011 como presidente do Banco Central e ser cogestor de um ano de recessão, inflação alta, juro crescente, problemas cambiais e na conta corrente do balanço de pagamentos. E assim, promoveu um golpe esperto: criou um incidente e sai sem pedir, mas por decisão do novo governo. Esse jogo só agrava a expectativa que se tem sobre 2011. Sinal mais claro não poderia ocorrer.

Xô, Segundona!

Pronto! Atropelamos o Inter e o Atlético Goianiense. Três buchas em cada um! Que venha agora o Santos. O caldeirão está fervendo e pronto para fazer um caldo de peixe!

domingo, 21 de novembro de 2010

Santa Catarina: Vejam o que acontece quando um estado se mantém longe do PT



Vejam alguns dados de Santa Catarina, estado que JAMAIS foi governado pelo PT, e que num médio prazo tem elevadíssimas chances de manter a quadrilha longe dos cofres estaduais.

No site www.santacatarinabrasil.com.br:

Qualidade de vida

Lugar reconhecido pelas belezas naturais, a riqueza histórica e a vocação empreendedora, Santa Catarina é um dos estados brasileiros onde se vive mais e melhor. Seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)1 é de 0,840, considerado elevado, o que o coloca atrás apenas do Distrito Federal.

As boas condições de desenvolvimento humano desfrutadas por Santa Catarina se refletem, por exemplo, na expectativa de vida de 75,2 anos, acima da média nacional, que é de 72,4.

Entre as 33 Regiões Metropolitanas do País, as quatro primeiras no ranking do IDH Municipal ficam em Santa Catarina: Grande Florianópolis, Joinville, Blumenau e Tubarão. Das dez primeiras colocadas, apenas quatro são de outros Estados. Santa Catarina tem 27 cidades colocadas entre as 100 brasileiras com melhor IDH. Dos 573 municípios com nível elevado de desenvolvimento humano, 123 (mais de 20%) são catarinenses. Florianópolis é considerada a capital com a mais alta qualidade de vida e a quarta melhor cidade do País para se viver, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

Florianópolis é também a cidade brasileira que mais enriqueceu nas últimas três décadas. Seu PIB per capita cresceu, em média, 6% por ano e atualmente é R$ 19,6 mil – acima da média brasileira. De acordo com estudo realizado pela Escola Brasileira de Administração Pública, Florianópolis é a oitava melhor cidade do Brasil para um profissional fazer carreira. Além disso, é a primeira capital do Brasil e a terceira cidade do País no ranking da inclusão digital, elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) com uma taxa de 33,29%. Sete municípios catarinenses figuram entre os 50 mais bem colocados nesse índice.

Santa Catarina está entre os estados brasileiros com os melhores indicadores de educação, saúde e renda dos jovens, que formam o Índice de Desenvolvimento Juvenil (IDJ), publicado pela Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (Ritla), pelo Instituto Sangari e pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, em 2007. Detém o segundo melhor IDJ no ranking dos estados brasileiros, sendo superado apenas pelo Distrito Federal. O analfabetismo juvenil foi praticamente erradicado em Santa Catarina, que ocupa o primeiro lugar neste quesito.
Enquanto a média brasileira de mortalidade infantil (por grupo de 1.000 crianças até 5 anos de idade) é de 24,8, a de Santa Catarina é bem menor: 14,9.

O caminho para que Santa Catarina se mantenha no trilho do desenvolvimento já está traçado: é a educação de seu povo. Uma característica do Estado é a constante preocupação com o ensino, desde o nível básico até o superior, que o transformou em modelo a ser seguido no País. São 92 instituições de ensino superior, das quais 15 se encontram na capital e 77 no interior. Com isso, 15,3% da força catarinense de trabalho já chegaram aos bancos universitários. E 43,5% têm ao menos ensino médio completo. Ao mesmo tempo, os pequenos catarinenses continuam sendo cuidadosamente preparados para o futuro. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado detém uma das menores taxas de analfabetismo do país, 4,41%, que é menos da metade da média nacional, de 9,99%.

O custo de vida é mais baixo do que em outros estados, as escolas são boas e a capacidade de consumo per capita dos catarinenses está entre as mais altas do País.

Mais educação e mais qualidade de vida, associados a um trabalho eficiente de segurança pública, são atributos que refletem diretamente nos índices de violência. Em Santa Catarina, esses índices estão muito abaixo da média nacional. De acordo com ranking elaborado pelo jornal Folha de S. Paulo em abril de 2009, Santa Catarina tem a segunda menor incidência de homicídios entre os 23 estados brasileiros pesquisados, com uma taxa de 13 por 100 mil habitantes em 2008 – menos da metade da taxa média de homicídios no país, que é de 27,4.

Segundo o Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros de 2008, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, apenas seis municípios catarinenses figuram entre os 556 mais violentos do país: Planalto Alegre, Santa Cecília, Passos Maia, Irati, Vargem e Palmeira, pequenas localidades madeireiras situadas nas regiões Oeste e Meio-Oeste. O que tem maior índice aparece 228a posição.

Não por acaso a revista norte-americana Newsweek, em sua edição europeia de 3 de julho de 2006, relacionou a capital catarinense entre as 10 cidades mais dinâmicas do planeta. A publicação destaca que “o círculo virtuoso” de Florianópolis começou quando a cidade proibiu a entrada de indústria pesada na Ilha de Santa Catarina.

Os números do turismo catarinense crescem a cada ano – o verão de 2008 foi o melhor dos últimos 10 anos. O movimento de turistas, na alta temporada, alcançou 4,3 milhões, gerando uma receita estimada de US$ 1,5 bilhão e uma taxa de ocupação na rede hoteleira de 66%. 

Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Região Metropolitana IDH-M 2000 IDH-M 1991 Cresimento
Relativo (%)
1º Florianópolis 0,859 0,801 7,2
2° Norte/Nordeste Catarinense 0,853 0,776 9,9 
3º Vale do Itajaí 0,850 0,802 6,0
4º Tubarão 0,835 0,778 7,3 
5º Campinas / SP 0,835 0,788 6,0 
6º Porto Alegre / RS 0,833 0,782 6,6
7º São Paulo / SP 0,828 0,792 4,5
8º Área de Expansão Metropolitana da RM do Vale do Itajaí 0,826 0,758 8,9
9º Área de Expansão Metropolitana Carbonífera 0,824 0,737 11,7
10º Curitiba / PR 0,824 0,763 8,0
Fonte: PNUD.

Dados de Santa Catarina

Área 95.346 Km² (1,12% do território brasileiro)
População 6 milhões de habitantes (estimativa 2008)
Densidade populacional 64,1 habitantes/km²
Capital Florianópolis
Exportações US$ 8,2 bilhões (2008)
PIB per capita US$ 11.700 (estimativa 2008)
PIB US$ 70,8 bilhões (estimativa 2008)
Ponto mais alto Morro da Bela Vista (Urubici), 1.827 metros
Temperaturas médias Entre 13 e 25 graus centígrados.
Mínima: -5°C / Máxima: 35°C

1 IDH é um indicador adotado pelo Programa para o Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD) para mensurar o desenvolvimento humano, levando em conta os fatores longevidade, nível educacional e renda. Ele varia de zero a um. Quando está acima de 0,8 é considerado elevado. (www.pnud.org.br)

Brasil não vê nada de errado com as 2,1 mil prisões políticas em Mianmar


Brasil se abstém de condenar abusos de Mianmar na ONU
País não apoiou libertação de mais de 2 mil prisioneiros políticos da nação asiática

GENEBRA - No mesmo dia em que evitou apoiar uma resolução condenando o Irã pela prática do apedrejamento, o Brasil também se absteve em uma resolução na Organização das Nações Unidas (ONU) que condenava os abusos em Mianmar, onde o País tem desde maio deste ano uma embaixada. O texto aprovado pedia a libertação de 2,1 mil prisioneiros políticos e garantias de que a ativista pró-democracia Aung San Suu Kyi, libertada recentemente, tenha seus direitos garantidos.

Outros 59 países seguiram a mesma linha do Brasil, entre eles Angola, Bolívia, Equador e Senegal. Mas a resolução passou com o apoio de outras 96 nações, entre eles todos os membros do Mercosul - Argentina, Paraguai e Uruguai - e do Chile. O bloco europeu também votou em peso a favor da resolução, assim com EUA, Canadá e África do Sul.

O documento condena o fato de que as eleições ocorridas no país há duas semanas não foram nem livres e nem justas. O documento elogia a libertação da ativista há uma semana, mas pede que outros 2,1 mil prisioneiros políticos sejam soltos e apela para que a ativista tenha total de direito de se exprimir. China, Cuba, Venezuela, Argélia e Irã estiveram entre os 28 países que votaram contra a resolução.

O brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, ex-relator da ONU para a defesa dos direitos humanos em Mianmar, alertou há poucos dias ao Estado que a liberação Aung San Suu Kyi não deve ser vista como a libertação de Nelson Mandela na África do Sul. Para o brasileiro, que ocupou o cargo na ONU por oito anos até 2008 e que se reuniu mais de dez vezes com a premio Nobel da Paz em sua residência, Mianmar não dá sinais de que está se abrindo.

A única votação que teve o apoio do Brasil foi em uma resolução condenando a situação de direitos humanos na Coreia do Norte. Cem países votaram a favor do texto, entre eles o Brasil, todo o Mercosul, o grupo Ocidental e vários países africanos. Há um ano, o Brasil havia insistido em dar "uma chance" aos norte-coreanos na ONU e convidá-los a participar de um diálogo. Não funcionou.

Sabem quem está de volta?

Lembram desse vídeo abaixo?



Lembraram? Então leiam o que nos informa o Blog do Noblat...

A força de José Dirceu

José Dirceu tomou café ontem com Lula no Palácio da Alvorada. O ex-ministro da Casa Civil também pediu audiência a Dilma.

Dilma delatou companheiros aos militares

Lembram quando ela disse no Senado que usou a mentira para proteger seus companheiros de luta armada? Parece que as coisas não foram bem assim... Destaquei em vermelho alguns trechos interessantes.

No Globo:

O passado de Dilma, segundo a Ditadura 
Sob tortura, presidente eleita confessou que grupo cometeu atentado a bomba 

Liberados para consulta ontem pelo Superior Tribunal Militar (STM), os dezesseis volumes de documentos com páginas já amareladas e gastas que contam a história do processo movido pela ditadura militar contra a presidente eleita Dilma Rousseff descrevem a ex-militante como uma figura de expressão nos grupos em que atuou, que chefiou greves e "assessorou assaltos a bancos", e nunca se arrependeu.
Na denúncia oferecida pelo Ministério Público Militar contra os integrantes do grupo de esquerda VAR-Palmares, Dilma é chamada de "Joana D’Arc da subversão".
"É figura feminina de expressão tristemente notável", escreveu o procurador responsável pela denúncia.
O GLOBO teve acesso aos autos a partir de autorização do presidente do STM, ministro Carlos Alberto Marques.
A decisão foi assinada no mesmo dia em que o plenário da corte liberou o acesso dos autos ao jornal "Folha de S.Paulo", que antes da eleição tentara consultar o processo.
Em depoimento à Justiça Militar, em 21 de outubro de 1970, Dilma contou ao juiz da 1ª Auditoria da 2 Circunscrição Judiciária Militar que foi seviciada quando esteve presa no Dops, em São Paulo.
O auditor não perguntou quais tinham sido as sevícias. No interrogatório, Dilma explicou ao juiz porque aderiu à luta armada. O trecho do depoimento é este:
"Que se declara marxista-leninista e, por isto mesmo, em função de uma análise da realidade brasileira, na qual constatou a existência de desequilíbrios regionais de renda, o que provoca a crescente miséria da maioria da população, ao lado da magnitude riqueza de uns poucos que detém o poder e impedem, através da repressão policial, da qual hoje a interroganda é vítima, todas as lutas de libertação e emancipação do povo brasileira. Dessa ditadura institucionalizada optou pelo caminho socialista".
Os arquivos trazem ainda cópia do depoimento que Dilma prestou em 1970 ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops), delegacia em que ela ficou presa e foi torturada.
No interrogatório realizado no dia 26 de fevereiro daquele ano, Dilma, sob intensa tortura, listou nomes de companheiros, indicou locais de reuniões, e admitiu que uma das organizações da qual fazia parte, o Colina, fez pelo menos três assaltos a banco e um atentado a bomba.
Mas ressalvou que nem ela nem o então marido, Cláudio Galeno de Magalhães Linhares, tiveram "participação ativa" nas ações.
No interrogatório no Dops, Dilma contou que o atentado a bomba foi praticado na casa do interventor do Sindicato dos Metalúrgicos em Minas Gerais, e que atingiu também a casa do delegado Regional do Trabalho. As residências eram contíguas.
Em um trecho do depoimento, Dilma disse que uma de suas funções em organizações de combate à ditadura era organizar células de militantes. Teria sido encarregada de distribuir dinheiro aos grupos. O dinheiro teria sido arrecadado em ações dos movimentos.

sábado, 20 de novembro de 2010

Brasil se acovarda e fica calado na ONU sobre apedrejamentos no Irã

O que mais nos falta? Depois de sermos felicitados pelas FARC pela eleição da Dilma, nossos representantes na ONU se calam em relação aos apedrejamentos no Irã. Quem será nosso próximo aliado? O próprio Satanás?

Ricardo Setti, na Veja:


A abstenção do Brasil em condenar na ONU o apedrejamento de mulheres me dá vergonha de ser brasileiro

Amigos, a manchete da seção “Internacional” do Estadão de hoje diz tudo: “Brasil cala sobre apedrejamento no Irã”.

O subtítulo também é altamente ilustrativo: “Ao lado de países como Cuba, Sudão, Síria e Líbia [todos ditaduras ferozes e violadoras dos direitos humanos, comento eu], diplomacia brasileira recusa-se a apoiar resolução em comissão da Assembléia-Geral da ONU que condena a lapidação e cobra fim de perseguição a jornalistas, blogueiros e opositores iranianos”.

Um dos pontos principais da resolução, apresentada pelo Canadá e aprovada por 80 países civilizados — da vizinha Argentina ao Japão, dos Estados Unidos a todos (repito, todos) os países europeus, do próprio Canadá, naturalmente, ao Chile — é a condenação do apedrejamento como método de execução. A resolução também pede o fim da discriminação contra as mulheres.

Como cidadão de um país em que a maioria da população é constituída de mulheres, e que — santo Deus — acaba de eleger uma mulher como primeira presidente em 121 anos de história da República, declaro-me indignado e sobretudo envergonhado com a política externa pusilânime e covarde do governo Lula e de seu chanceler de estimação, Celso Amorim em relação à ditadura do Irã.

O regime dos aiatolás fanáaticos massacra os direitos das mulheres, adota a pena de morte sob as formas mais vis, enjaula adversários políticos, censura a imprensa, rouba nas urnas e seu ditador, Mahmoud Ahmadinejad, nega a existência do Holocausto e apóia grupos terroristas mundo afora.

O atual governo brasileiro acredita que com “diálogo e cooperação” é que a situação pavorosa dos direitos humanos no Irã vai melhorar. Prefere aproximar-se, ser amigo doDiabo a condenar suas ações.

Imagino o constrangimento da presidente Dilma como mulher e como política que já condenou de forma clara e inequívoca a barbárie que constituem os apedrejamentos de mulheres, em geral por suposto “adultério”, no Irã.

Dica de Saúde: Álcool traz as mesmos benefícios da Ioga

Recebi por email e estou repassando. Faço o possível para que meus leitores levem uma vida saudável.

Savasana

É uma posição de total relaxamento.


Balasana

Posição que traz uma sensação de paz e tranquilidade.


Setu Bandha Sarvangasana

Esta posição acalma o cérebro e recupera pernas cansadas.


Marjayasana

Esta posição provoca uma massagem suave na barriga e na espinha.


Halasana

Posição do arado.
Ótima para dor nas costas e para insônia.


Dolphin

Ótimo para os ombros. Também fortalece o torax, pernas e braços.


Salambhasana

Uma forma efetiva de fortalecer os músculos lombares, pernas e braços.


Ananda Balasana

Esta posição faz uma boa massagem na área dos quadris.


Malasana

Esta posição estira os tornozelos e músculos das costas.


Pigeon

Tonifica seu corpo, aumenta a felxibilidade e desestressa sua mente. 




quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Caso Celso Daniel: primeiro réu é condenado à prisão. Beneficiários do esquema criminoso continuam livres e agarrados ao poder

Celso Daniel, o morto insepulto do PT que também não era nenhum santo, continua trazendo dores de cabeça ao partido. Oito anos após o crime, a primeira condenação. Exatamente oito anos após e poucos dias antes do final do mandato de um dos beneficiados pelo dinheiro da quadrilha. Outros envolvidos, como Gilberto Carvalho e José Dirceu, estão mais fortes do que nunca e muito provavelmente nunca serão alcançados pela justiça terrena. Resta torcer para que acertem suas contas no inferno.

Assistam a este pequeno vídeo disponível na TV Câmara, para relembrar o caso e depois assistam a matéria do Estadão:

video

Primeiro réu do caso Celso Daniel é condenado a 18 anos de prisão
Sentença é seis anos acima da pena mínima para os crimes de sequestro e homicídio

ITAPECERICA DA SERRA, SP - O juiz Antonio Augusto Galvão de França Hristov, do fórum de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, condenou nesta quinta-feira, 18, Marcos Roberto Bispo dos Santos a 18 anos de prisão pela participação no sequestro e assassinato do prefeito de Santo André (SP) Celso Daniel. A sentença é seis anos acima da pena mínima para os crimes.

Em seu pronunciamento, após as exposições de acusação e defesa, Hristov classificou o caso como de "grande repercussão" e sublinhou a proximidade entre Celso Daniel e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a campanha presidencial de 2002. "Os fatos foram de grande repercussão, causando severo impacto social", afirmou o juiz. Ele também lembrou que a vítima era prefeito de Santo André e cotado para assumir a coordenação de campanha de Lula, assim como "cotado para ocupar o cargo de ministro de Estado".

A sentença foi lida após cinco horas de debates, em que os jurados - cinco mulheres e dois homens - responderam a seis quesitos preparados pela Justiça. Santos não compareceu ao júri, já que está foragido. A Justiça decretou sua prisão preventiva na última sexta-feira porque ele não foi localizado em seu endereço.

O promotor de justiça Francisco Cembranelli disse que a condenação de Marcos Roberto a 18 anos de prisão representa vitória da tese do Ministério Público de que a corrupção mandou matar o prefeito de Santo André. "Especificamente, foi proposto aos sete jurados um quesito de que o homicídio teria sido cometido mediante paga e recompensa, e o júri acolheu", observou o promotor. "Não temos aí crime de extorsão, nem crime contra o patrimônio, nem coisa alguma semelhante. Temos, sim, um crime encomendado, homicídio, e a prova mostra exatamente isso."

Campanhas. Em sua sustentação, Cembranelli argumentou que o crime foi executado por um grupo de criminosos que agiu "por encomenda" de corruptos que desviavam recursos da prefeitura. Pouco antes do julgamento ter início, o promotor afirmou que o dinheiro de corrupção se destinava a contas pessoais de políticos e também para abastecer campanhas eleitorais do PT, até mesmo a da primeira eleição do presidente Lula, em 2002. Ele também disse que o petista foi torturado no cativeiro para revelar onde estava guardado um dossiê com informações contra integrantes do PT que estariam envolvidos no esquema de propinas da cidade.

Segundo o promotor, os argumentos expostos nesta quinta-feira no primeiro júri do caso serão levados aos próximos julgamentos dos outros seis réus, entre eles o empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sérgio Sombra, apontado como o mandante do assassinato. Todos estes acusados recorreram ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) contra a sentença de pronúncia - medida que determina o julgamento perante júri popular.

Defesa. O advogado Adriano Marreiro dos Santos, que defende Marcos Roberto, disse que vai recorrer da condenação de 18 anos imposta a seu cliente. Para o advogado, não há nenhuma prova, nem mesmo testemunhal, de que Marcos Roberto participou do crime. Segundo ele, seu cliente foi "barbaramente torturado" quando interrogado pela polícia. Marreiro argumenta que Marcos Roberto é citado apenas pelos outros réus do processo.

Aliados do PT matam covardemente mais três na Colômbia

Narcoterroristas das FARC, o grupo que comemorou a vitória de Dilma nas eleições presidenciais do Brasil, e que participou em conjunto com o PT de diversas edições do Fórum de São Paulo, assassinaram ontem mais três pessoas em um vilarejo na Colômbia, com bombas e armas de fogo. Segundo o governo petista, isso não se trata de terrorismo, é apenas uma forma legítima de insurgência política. Diga-me com quem andas e te direi quem és.

Na Folha:

Ataques da guerrilha matam três pessoas na Colômbia

BOGOTÁ, 18 Nov 2010 (AFP) -Pelo menos dois civis e um policial morreram em ataques executados na quarta-feira e atribuídos à guerrilha das Farc no sul da Colômbia.

No primeiro ataque, os insurgentes detonaram uma bomba e abriram fogo contra um vilarejo de La Llanada, no departamento de Nariño, sul do país e perto da fronteira com o Equador. Uma criança e seu avô morreram na ação.

Outros ataques das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) nos vilarejos de Toribío e Jambaló, no departamento de Cauca (sudoeste), deixaram saldo de um policial morto e cinco pessoas feridas.

Marionete: Lula ordena que Guido Mantega e Henrique Meirelles sejam mantidos no Governo Dilma

Na Folha:

Dilma convida Mantega a permanecer na Fazenda

A presidente eleita, Dilma Rousseff, decidiu convidar Guido Mantega a permanecer no Ministério da Fazenda em seu futuro governo, informam Kennedy Alencar e Valdo Cruz, na Folha desta quinta-feira (íntegra somente para assinantes do jornal e do UOL).

Segundo a Folha apurou, Lula e Dilma discutiram uma lista de nomes que a presidente eleita pretende convidar para montar o seu primeiro escalão.

Em reunião anteontem à noite no Palácio da Alvorada, Lula voltou a defender a manutenção de Mantega no comando da Fazenda.

Segundo a Folha apurou, Dilma preferia trocar a presidência do BC, mas diminuiu sua resistência em manter Meirelles porque está preocupada com uma piora da economia mundial e seus efeitos no Brasil no começo de seu governo.

Ela voltou de Seul, onde participou de reunião do G20 (grupo que reúne as maiores economias do mundo), disposta a reavaliar a sugestão de Lula para manter Meirelles no BC.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Sarah Palin for President!


Já que o Lula queria tanto botar a mulherada no poder, não cairia nada mal a eleição de Palin nos EUA em 2012 e Kátia Abreu aqui em 2014.


Palin cogita disputar primárias republicanas para sucessão de Obama
Ao NYT, candidata derrotada a vice em 2008 diz discutir a possibilidade com a família

De acordo com Palin, que renunciou ao governo do Alasca em 2009, ela está discutindo a possibilidade com a família. "Eles são o mais importante neste momento", disse à revista dominical do jornal, cujo trechos foram adiantados nesta quarta-feira, na internet.

Ainda segundo a ex-governadora, que após deixar o cargo se tornou uma das principais figuras do movimento ultraconservador Tea Party, a decisão ainda implica em avaliar se pode contribuir com qualidades únicas para o cargo.

Palin disse ainda que um dos obstáculos, caso concorra, será demonstrar sua verdadeira história, que, segundo ela, é distorcida pela imprensa americana.

"É muito frustrante para mim, a descrição deformada da minha história e de tudo que construí nas últimas décadas", disse Palin, que foi prefeita de Wasilla, uma pequena cidade do Alasca, antes de se tornar governadora.

Em 2011, começarão a se desenhar as pré-candidaturas para a sucessão do presidente Barack Obama. As eleições primárias de cada partido, que definem os candidatos à sucessão, começam em janeiro de 2012.

PMDB encosta Dilma na parede e avisa que cobrará a fatura

No Estadão:

Manobra articulada durante o feriado surpreende Planalto

A operação política que garantiu a construção do chamado superbloco partidário faz parte da estratégia do PMDB de assegurar o controle do território onde sempre deu as cartas: o Congresso Nacional.

Mesmo que para isso seja necessário derrotar o PT, seu principal parceiro político na campanha eleitoral.

Na prática, a manobra, que pegou de surpresa o governo federal, foi sacramentada durante o último feriado e representa um recado a presidente eleita, Dilma Rousseff.

A mensagem é que o PMDB foi parceiro decisivo na campanha vitoriosa e espera ser reconhecido com o preenchimento de espaços políticos proporcionais a uma sociedade, o que não vinha sendo sinalizado.

Para garantir que isso ocorra, o PMDB decidiu usar sua maior arma: a força dentro da Câmara e do Senado.

A nova superbancada do recém-criado bloco partidário tem tamanho político para derrotar qualquer proposta de interesse do futuro governo.

Antes de tomar essa decisão, os peemedebistas esperaram por um acordo com Dilma e seus interlocutores. O gesto não veio.

Até então, os peemedebistas precisaram reclamar para que o vice-presidente eleito, Michel Temer, também presidente do partido, fosse apontado como um dos coordenadores do processo de transição ou a legenda ficaria de fora dessas discussões.

O desejo de ampliar o espaço nos ministérios também foi visto como um apetite exagerado pelo novo governo. Para fechar, ouviram do PT a proposta de rodízio no comando da Câmara e do Senado.

Aliado como nunca do PT durante a campanha eleitoral, o partido decidiu agora ser o PMDB de sempre para assegurar seu espaço político.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Cine Barricada

Em cartaz, novo vídeo do Olavo de Carvalho. Clique ali no canto superior direito e assista.

Impróprio para esquerdistas de qualquer matiz.

Ataque dos sonhos

Antes tarde do que nunca! Amanhã veremos pela primeira vez a atuação de Ronaldinho Gaúcho, Robinho e Neymar juntos, contra nossa arqui-rival Argentina. Acho que não tem como dar errado. O Dunga, que estará secando a Seleção, teve a oportunidade nas mãos e a jogou no lixo, pra desgosto de todos as amantes de futebol do planeta. A partida será às 15 horas. Vejam abaixo algumas jogadas de cada um deles:

Ronaldinho Gaúcho:
 
Robinho:


Neymar:




Tchau, Kassab! Vá procurar tua turma!

Torço para que o DEM honre sua votação e sua história. Se for o caso, e parece que é, do partido passar por uma sangria, que assim seja. Tenho certeza que os melhores nomes permanecerão na legenda. Que todos aqueles inconformados com a obrigação de serem oposição arranjem um jeito e saiam o mais rápido possível. Xô!
Mais vale um partido pequeno, mas homogêneo e compacto do que um partido maior e infestado de pústulas e traidores. Bons nomes o partido tem de sobra, e o espaço para crescer ficou evidenciado na última eleição presidencial, quando a discussão de valores demonstrou que uma grande parte dos brasileiros são conservadores. Muita água ainda vai rolar até 2014, mas é bom que comecem logo a se movimentar e ocupar o espaço disponível.

No Estadão:

De malas prontas

Dora Kramer - O Estado de S.Paulo

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, foi convencido por seus pares a desistir da ideia de promover a fusão do DEM com um partido de musculatura mais forte, PSDB ou PMDB.

Em compensação, quem pensa seriamente em deixar o DEM agora é o próprio Kassab. Na verdade "pensar seriamente" é eufemismo, pois o prefeito está praticamente com um pé fora do partido e outro dentro do PMDB. Coisa para março, no máximo.

As malas estão quase todas prontas, faltando apenas alguns acertos com os dois políticos que Gilberto Kassab tem como referência: Jorge Bornhausen, que lhe deu chance de crescer no PFL, e José Serra, que abriu a oportunidade de ser prefeito de São Paulo ao aceitá-lo como vice na eleição municipal de 2004.

A história dessa mudança começou logo após a proclamação do resultado da disputa presidencial. Se José Serra fosse eleito presidente, a perspectiva de Kassab era integrar um novo e grande partido que Serra pensava em criar, arregimentando o DEM e legendas médias que gravitam em torno do governo federal, mas atuam em faixa própria.

Com a derrota o projeto se frustrou. Para Kassab e outros líderes com horizonte político e planos futuros em aberto, o DEM acabou se tornando um endereço arriscado.

O partido que já chegou a ter 100 deputados federais e a contar com a maior bancada no Senado, em menos de dez anos foi reduzido a 43 deputados e 6 senadores.

Mudou de nome, teve sua direção entregue a uma nova geração de políticos, ensaiou uma oposição mais assertiva e nítida, mas não aconteceu.

Aquela nova geração perdeu todas as batalhas. As vitórias foram conseguidas pela velha guarda. Isso se pode dizer tanto em relação à luta contra a CPMF quanto no tocante às últimas eleições. O DEM elegeu dois governadores nos Estados de Agripino Maia (RN) e de Jorge Bornhausen (SC).

Hoje o DEM não tem representação de peso no Congresso, não se pode dizer que tenha uma boa imagem junto à população nem tem a chamada capilaridade necessária a uma retomada do antigo vigor em prazo razoável.

A partir dessa realidade surgiu a ideia da fusão. Primeiro com o PSDB e depois com o PMDB. Os obstáculos, entretanto, se mostraram incontornáveis.

A rejeição a uma incorporação com a legenda dos tucanos é unanimidade no DEM. Mágoas presentes e passadas.

Já sobre a fusão com o PMDB há problemas regionais incontornáveis. Um deles: no Rio Grande do Norte o senador José Agripino não teria condição de entrar no PMDB, partido do vice-presidente da República, porque não poderia se aliar ao governo federal no Senado, oposicionista de quatro costados que é.

Mais uma dificuldade: na Bahia, ACM Neto até aceitaria, mas só se o comando regional da nova formação fosse dele e não de Geddel Vieira Lima, do PMDB.

Diante dos fatos a fusão foi arquivada, mas Kassab continuou com o problema: o que fazer depois que o mandato de prefeito acabar, como expandir o patrimônio político acumulado nos anos de prefeitura?

O futuro no DEM não é risonho, entrar para o PSDB em São Paulo é esbarrar na barreira intransponível do grupo do governador eleito Geraldo Alckmin.

Sobra o PMDB e uma peculiaridade: Orestes Quércia está afastado da política para cuidar de problemas de saúde, Michel Temer como vice da presidente Dilma Rousseff estará referido nas questões federais e o partido em São Paulo precisa de comando.

É a combinação perfeita: Kassab precisa de um nicho para atuar, quem sabe se candidatar ao governo em 2014, e o PMDB paulista é um nicho em busca de alguém que lhe dê atuação. Na última eleição, fez apenas um deputado federal.

Mas não estaria criado o mesmo problema levantado por Agripino Maia?

Não. Primeiro porque Kassab não vota no Congresso e segundo porque o PMDB dispõe de cidadelas independentes (em SP apoiou Serra) País afora.

Resta a questão da fidelidade partidária. Como sair sem correr o risco de perder o mandato? Kassab e os deputados que iriam com ele.

Só é permitido em dois casos: fusão e divergência programática.

Talvez com a tendência de se caracterizar como partido claramente conservador, sem máscaras, o DEM tenha dado a Kassab a solução.