sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Entra rachando, Aécio!

NÃO PODEMOS DAR MOLEZA PARA O TIME VERMELHO
Uma vez confirmado o nome de Aécio Neves como o candidato do PSDB para 2014, creio que é o momento de começar a descer a lenha no governo. Acredito que o nome de Aécio pode realmente ser competitivo na próxima eleição presidencial, mas desde que busque logo um lugar ao sol. Se a sua tão propalada capacidade de aglutinação for verdadeira, então obviamente quanto mais tempo ele dispuser para exercitá-la, melhor. Concordo com Fernando Henrique neste ponto, é preciso se declarar candidato o quanto antes.

A candidatura petista, é evidente, caberá a Dilma, que tentará a reeleição. Será um nome forte e difícil de ser batido, ao que tudo indica. Mas nem tudo são flores para ela e para o governo. Provavelmente a população brasileira deve ter recebido um mínimo de informação sobre os graves casos de corrupção que orbitam há muito tempo o PT. A bandeira da ética hoje virou pano de chão no Palácio do Planalto. Carismática Dilma nunca foi. Seu desempenho em entrevistas e debates é fraquíssimo, como pudemos verificar em 2010. Sua fama de gerentona está caindo por terra dia após dia, com o país paralisado e sem investimentos. A economia brasileira está travada, e seu crescimento vem sendo superado de longe pelos outros países emergentes e até mesmo por economias desenvolvidas, que habitualmente crescem em ritmo mais lento.

Como diabos então ela lidera todas as pesquisas eleitorais no momento?

Muito simples. Ao meu ver, o que falta é uma outra opção ser apresentada à população. Alguém que vocalize uma possibilidade de mudança segura, que se assuma como porta-voz dos brasileiros descontentes com os rumos do país - e podem ter certeza que não são poucos. É preciso, se não for possível pautar o debate político, ao menos entrar de sola para dividí-lo com o governo. Não dá para fugir da dividida. É hora de dar carrinho, sujar a camisa de barro e de grama. É preciso se apresentar ao Brasil, mostrar um nome e um rosto para que fique registrado que há uma alternativa. O acanhamento da oposição nos dá a impressão que vivemos numa monarquia, na qual ninguém ousa discordar da realeza. 

Este momento no qual o Brasil se encontra deveria ser o sonho de qualquer um que pretenda fazer oposição, e deveria ser o pesadelo de qualquer um na situação. Mas surpreendentemente parece que ninguém se dá conta disso.